Os bastidores da coletiva com Hugh Jackman

Otavio Almeida 21 de fevereiro de 2017 0
Os bastidores da coletiva com Hugh Jackman
Por Otávio Almeida

Hugh Jackman voou do Festival de Berlim direto para São Paulo, onde os primeiros jornalistas brasileiros assistiriam a Logan, filme que marca sua despedida de Wolverine, papel que lhe deu uma carreira no cinema e, ainda por cima, o merecido status de astro. Tudo isso aconteceu no último domingo (19). A sessão foi realizada às 8h30 da manhã no Cinépolis do shopping JK Iguatemi. Jackman descansava da longa viagem para receber a imprensa, logo após o término do filme, numa coletiva de uma hora de duração no Grand Hyatt Hotel.

Convidado pela Fox Film do Brasil, estive lá e, assim como a maioria dos jornalistas, cheguei à coletiva com uma dose altíssima de emoção. Não exatamente pela expectativa de ver Hugh Jackman pela primeira vez. Ok. Isso também. Porém, muito mais pelo filme que havia acabado de testemunhar (falo sobre Logan ainda nesta semana no Hollywoodiano). Jackman entrou com uma chuva de flashes na sala da coletiva e mandou os tradicionais “Oi” e “Obrigado” antes do início das perguntas. Grande parte delas girou em torno do mesmo tema: por 17 anos, Hugh Jackman interpretou Wolverine em nove filmes, mas chegou a hora de dizer adeus e pensar no que fazer daqui para frente. Apesar das questões repetitivas, Jackman respondeu tudo com o maior prazer e a elegância de sempre, com observações intrigantes e muito bem desenvolvidas.

E esbanjou simpatia. Um dos melhores momentos envolveu a pergunta de Rogério Montanare, do Cinema com Rapadura, que comparou o doce que nomeia o site a Wolverine (“duro e doce”) e quis presentear o ator com uma caixa de rapaduras e entregar em suas mãos um desenho feito por sua filha de sete anos (ela ao lado de Wolverine). No entanto, Rogério disse que a assessoria pediu para ficar com os presentes e a promessa de entregar a Jackman após a coletiva. Mas o ator não teve dúvidas. Levantou-se e pediu para o jornalista lhe dar as rapaduras e o desenho. Aplausos tomaram conta da sala e estávamos caminhando para a próxima pergunta, quando Jackman interrompeu o processo e lembrou que Rogério ainda não havia feito a sua, fazendo questão que voltassem a ele.

Sobre Logan, Hugh Jackman confessou que foi o filme que sempre quis fazer e que, agora, pode dormir tranquilo por ter explorado o personagem sem arrependimentos nem deixar nenhuma intenção pendente ou mal resolvida. Valorizou o quanto o novo filme é diferenciado das produções baseadas em histórias em quadrinhos. Ele não sonha com um legado que repita Logan, mas que siga fugindo do mais do mesmo para surpreender o espectador. Sim, Logan foge dos padrões e é o filme do Wolverine que você pediu a Deus.

Para Hollywood aceitar de vez as adaptações de HQs, o ator citou a importância de Christopher Nolan, com a trilogia do Cavaleiro das Trevas, mas que, antes disso, Bryan Singer comprou a briga e fez o primeiro X-Men com a seriedade necessária para convencer os estúdios e o público em geral, numa época em que esse tipo de filme estava mal das pernas e ninguém discutia o confronto entre Marvel e DC no cinema.

Falou ainda sobre a aura de western e road movie em Logan, além das influências de Os Imperdoáveis, de Clint Eastwood, O Lutador, de Darren Aronofsky, Pequena Miss Sunshine, de Jonathan Dayton e Valerie Faris, e o clássico Os Brutos Também Amam, de George Stevens.

Enfim, não se trata apenas de um astro, mas de um homem que realmente merece chegar onde chegou, sorriu do início ao fim, mostrou que era importante estar ali e o quanto o elo entre fãs e filmes podem ser mais próximo que imaginamos; driblou perguntas básicas e entregou respostas bem trabalhadas, cheias de insights, que muita gente não pegará em um filme voltado para o entretenimento. Isso é valorizar intepretações e a inteligência do público. Um dia, outros atores serão Wolverine. Mas, apesar disso, a história provou que Harrison Ford é Indiana Jones, assim como Sean Connery é o mais lembrado como James Bond. De novo, outros podem ser Wolverine, mas ninguém viverá Logan como Hugh Jackman. Que homem!

Assista à coletiva na íntegra no vídeo abaixo, transmitido ao vivo pelo Omelete.

Deixe seu comentário »