Nada pode parar Tom Cruise e “Missão: Impossível”

Otavio Almeida 15 de janeiro de 2019 0
Nada pode parar Tom Cruise e “Missão: Impossível”

Se existe uma série com muita moral para seguir em frente no cinema (tirando a saga da Marvel e, talvez, Star Wars) seu nome é Missão: Impossível. O astro e produtor Tom Cruise e o diretor e roteirista Christopher McQuarrie podem ter continuado e, de certa forma, concluído muito bem a segunda trilogia (iniciada com Protocolo Fantasma, de Brad Bird) sobre as aventuras do agente Ethan Hunt com Nação Secreta e, principalmente, Efeito Fallout. Mas ambos confirmaram nesta semana via redes sociais que assinaram com a Paramount para não um, mas dois episódios da série, com lançamentos marcados para 2021 e 2022. O que leva a crer que o primeiro deles, digamos, não terá final e, na verdade, será um filme dividido em duas partes, como Vingadores: Guerra Infinita e Vingadores: Ultimato, por exemplo.

Eu disse que Christopher McQuarrie concluiu tudo em Efeito Fallout? Bom, embora o filme seja incrível, seus minutos finais não se preocuparam exatamente em encerrar a saga ou, pelo menos, a participação de Ethan Hunt. Calma, não quero que ele morra, mas o cara pode sair de cena e aproveitar um descanso merecido em Fernando de Noronha ou no Havaí. Por que não?

Quantas cinesséries têm liberdade e tempo para entregar um final digno, convincente para toda a jornada acompanhada até aqui? Veja o caso dos novos Star Trek. O quarto filme foi engavetado pela própria Paramount após discussões sobre o salário de Chris Pine. Sem falar que Tom Cruise estará com 60 anos quando o filme de 2022 chegar aos cinemas. E isso não quer dizer que estou diminuindo esse homem, porque ele tem muito mais saúde e disposição que eu. Mesmo assim, acho prudente aproveitar a energia de Cruise enquanto o cara estiver voando (e dispensando dublês) para terminar a história no auge. Enfim, acho mesmo que os dois novos representarão o final da participação de Ethan Hunt. Mas isso não significa que Tom Cruise não possa continuar Missão: Impossível como produtor.

Missão Impossível2

Outro ponto indiscutível é que não existe série de ação no cinema tão bem conduzida por seus realizadores e aceita pelo público no momento que Missão: Impossível. Com respeito aos fãs de Velozes e Furiosos, mas não dá nem para o cheiro. James Bond? Vocês viram a desgraça que foi Spectre, certo? Teríamos um concorrente capaz até mesmo de ultrapassar Missão: Impossível em qualidade se a Warner e o cineasta George Miller se entendessem para que Mad Max tivesse a mínima chance de continuar. Mas em termos de bilheteria, Mad Max não seria páreo para Missão: Impossível.

Nesse aspecto, podemos dizer que o dinheiro falou mais alto para Christopher McQuarrie. Mas em qual outro projeto ele teria tanta liberdade criativa para exercitar um talento que muitos apontaram como o de um mestre do cinema de ação moderno? Além disso, nada pode parar Tom Cruise, o grande astro de Hollywood, que prefere agradar seus fãs a tentar um Oscar que nunca ganhou. Quantas vezes você viu Cruise fazer filmes como Nascido em 4 de Julho, Magnolia e Jerry Maguire nas últimas décadas?

Ainda sobre McQuarrie, cada filme de Missão: Impossível contou com um diretor diferente até Efeito Fallout. Tivemos Brian De Palma, John Woo, J.J. Abrams, Brad Bird e duas vezes Christopher McQuarrie. Duas não, porque agora serão quatro. Padrão estabelecido? Ok, hora de acelerar e boa sorte aos envolvidos para superar Efeito Fallout. Vocês vão precisar.

Deixe seu comentário »